Perguntas Frequentes

Perguntas Gerais
1. O QUE É UM CURSO TÉCNICO?

 

É um curso de nível médio que objetiva preparar o aluno com conhecimentos teóricos e práticos nas diversas atividades do setor produtivo. Este tipo de curso visa proporcionar ao aluno o acesso imediato ao mercado de trabalho, além da perspectiva de requalificação ou mesmo reinserção no setor produtivo.

2. COMO SE DÁ A ARTICULAÇÃO DE CURSOS TÉCNICOS COM O ENSINO MÉDIO?

 

De três formas: integrada, concomitante ou subsequente. Na forma integrada, o aluno, com uma única matrícula, frequenta curso cujo currículo foi planejado reunindo os conhecimentos do ensino médio às competências da educação profissional. Na forma concomitante, ocorre uma complementaridade entre o curso técnico e o ensino médio. Nesta modalidade o aluno tem duas matrículas. Na forma subsequente, o aluno, ao se matricular no curso técnico, já concluiu o ensino médio. (www.mec.gov.br)

3. QUAL A CARGA HORÁRIA MÍNIMA DE UM CURSO TÉCNICO?

 

A carga horária mínima de um curso técnico de nível médio é de 800 horas, sem contar a carga horária prevista para o estágio profissional supervisionado.

4. EXISTE ESPECIALIZAÇÃO PARA TÉCNICOS DE NÍVEL MÉDIO?

 

Sim. São ofertadas especializações em alguma subárea da formação do curso técnico como, por exemplo, em mamografia, tomografia, hemoterapia, meio ambiente etc.

5. ANTES DA CONCLUSÃO DO CURSO TÉCNICO, POSSO OBTER CERTIFICADOS?

 

Sim. São possíveis saídas intermediárias que correspondem à conclusão de módulos, etapas de cursos técnicos, no entanto a existência de saídas intermediárias com certificação é uma prerrogativa da escola ao definir o currículo do curso. Por exemplo, no curso técnico em Farmácia, usualmente encontramos a saída intermediária de Auxiliar de Farmácia.

6. O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO REALIZA CREDENCIAMENTO DE CURSOS TÉCNICOS?

 

Não. Os cursos técnicos oferecidos pelas redes estaduais e privadas de ensino são autorizados e credenciados pelos Órgãos estaduais de Educação por meio de seus Conselhos Estaduais de Educação. Cada Órgão possui calendário e procedimentos próprios para conceder a autorização para abertura de cursos. No caso dos cursos da rede federal de ensino, as instituições da Rede Federal de Educação Profissional e Tecnológica possuem autonomia para abertura de cursos. (www.mec.gov.br).

bilioteca-300x199
1. O QUE EU PRECISO PARA EMPRÉSTIMO DE LIVROS?

O empréstimo de livros é permitido para todos os alunos efetivamente matriculados a partir da apresentação da carteirinha da FAMESP.

2. O QUE EU PRECISO PARA CONSULTAR LIVROS NA BIBLIOTECA?

A consulta de livros é aberta para a comunidade interna e externa.

3. QUANTOS LIVROS POSSO RETIRAR POR VEZ?

Dois livros.

4. QUANTOS DIAS POSSO FICAR COM O MATERIAL?

Sete dias.

5. CONSIDERA-SE O FINAL DE SEMANA?

Sim, são sete dias corridos.

6. PODE RENOVAR?

Sim. O prazo é de mais sete dias.

7. O QUE OCORRE SE ATRASAR NA DEVOLUÇÃO?

Será gerada multa de R$ 2,00 por dia (por livro).

8. ONDE EU PAGO?

No setor financeiro.

9. SE O LIVRO QUE EU PRECISAR ESTIVER EMPRESTADO?

A equipe da biblioteca faz uma reserva desse material. Assim que chegar, reservamos o material para o aluno.

10. QUAL O HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO DA BIBLIOTECA?

Segunda-feira a sexta-feira, das 7h30 às 22h; sábado, das 9h às 13h.

11. ABRE AOS SÁBADOS?

Sim.

12. SOU ALUNO DE PÓS-GRADUAÇÃO, O MEU PRAZO É O MESMO?

Não. Seu prazo é de 30 dias. Empresta no dia da aula no sábado ou no domingo e devolve na próxima aula.

12. TEM INTERNET?

Sim. Só não é permitido o acesso às redes sociais.

13. POSSO ENTRAR COM MOCHILA?

Não. A equipe da biblioteca fornece uma chave com cadeado, e o material é guardado nos armários pertencentes à biblioteca. Para isso, é necessário que o aluno deixe a carteirinha da Famesp.

A instituição possui um setor exclusivamente responsável por tudo o que se refere a Estágio.

O setor oferece aos alunos da instituição marcações de forma diferenciada, com atendimento individualizado, visando orientar o aluno na melhor forma de cumprir sua carga horária curricular.

Há ainda o mural onde são anunciadas vagas remuneradas que são oferecidas pelas empresas. Essas vagas também são anunciadas diretamente no site da Instituição, em ALUNO ONLINE, onde apenas alunos têm acesso.

Contamos, atualmente, com mais de 800 vagas disponibilizadas pelas empresas conveniadas, além das parcerias com agentes de integração, como CIEE e NUBE.

1. Qual o horário de funcionamento da Coordenação de Estágio?

Funcionamento de segunda-feira a sexta-feira, das 8h às 21h.

2. Quando posso iniciar o estágio?

Todas as turmas terão orientações sobre os processos de estágio, o que é chamado de Liberação de Estágio, nos seguintes períodos:

  • Cursos Técnicos*: Liberação feita a partir do 2º módulo.

* Exceto os cursos técnicos em Segurança do Trabalho e Meio Ambiente, onde a liberação para realização de estágio é feita a partir do 1º módulo.

    • Tecnólogo em Radiologia: a partir do 4º semestre
    • Licenciatura em Pedagogia: a partir do 3º Semestre
    • Gastronomia: a partir do 2º Semestre.

Observação: Para agendamento de estágio, é necessário que o aluno não possua pendência financeira, pedagógica e nos procedimentos de estágio. No caso do curso de Radiologia, também é necessário que o aluno entregue uma cópia do hemograma a cada seis meses na Secretaria da Famesp. 

3. Qual é o período de agendamento de estágio?

As datas de marcação irão seguir o calendário abaixo.

calendario-2016-2-web

 

Obs.: Pode haver alterações devido a fim de semana, feriados e recessos.

4. Qual o procedimento para estágio realizado em instituições que não possuem vínculo com a Famesp?

Os alunos que fazem estágio em instituições não conveniadas à Famesp devem notificar a Coordenação de Estágio, mediante declaração de autorização da entidade (o modelo de declaração está disponível na Coordenação de Estágio). Não serão aceitas as horas que não forem notificadas. Também é necessário que o supervisor de estágio da empresa possua formação na mesma área que o estagiário.

5. O que é Termo de Compromisso?

É um documento exigido pela Lei de estágio que, por conter dados da Unidade Concedente, Instituição de Ensino e Estagiário, valida as horas realizadas no campo de estágio e deve ser assinado por todas as partes.

6. Quais documentos são necessários para o agendamento de estágio e realização de estágio na Unidade Concedente?

É necessária a apresentação da Pasta de Estágio que deve conter: Termo de Compromisso, cópia da Apólice de Seguro, cópia da Carteira de Vacina.

Obs.: Esses documentos (e a utilização do dosímetro no caso dos cursos de Radiologia) impedem que a Unidade Concedente sofra algum tipo de infração quando houver fiscalização trabalhista.

7. Há possibilidade de cancelar o estágio já agendado?

Alterações no agendamento de estágio só podem ser realizadas dentro do período de marcação. Após esse período, não há possibilidade de alteração e/ou cancelamento. Nos casos de falta por motivo de saúde ou trabalho, será necessária apresentação de atestado médico ou declaração de trabalho. Faltas sem justificativa resultarão em multa em virtude de as vagas serem limitadas e de as empresas (parceiras) se programarem de acordo com a relação de alunos que a Famesp encaminha.

8. Algum procedimento (agendamento, solicitações, retirada de documentos e dosímetro) pode ser realizado por terceiro na Coordenação de Estágio?

Agendamentos e solicitações só podem ser realizados pelo aluno. A retirada de documentos por outra pessoa é permitida com autorização do aluno (seja por telefone – por meio de confirmação de dados – ou declaração devidamente assinada).

A solicitação do dosímetro deve ser realizada pelo aluno e a retirada do equipamento pode ser realizada por outra pessoa, desde que o aluno autorize por telefone ou declaração devidamente assinada.

9. Qual é a data limite para entrega de dosímetro?

A data limite para entrega de dosímetro varia de mês a mês, devendo o aluno checar a data limite de entrega no verso do dosímetro recebido.

Após essa data, será aplicada multa por devolução fora do prazo. A não devolução do dosímetro no prazo de 1 mês será considerada como EXTRAVIO de dosímetro, sendo aplicada uma multa de valor maior que a do atraso.

10. Qual é o prazo para realização de estágio e entrega da pasta?

Para o agendamento nos campos de estágio conveniados à Famesp, o prazo é:

  • Cursos de Técnico e Tecnólogo em Radiologia; especializações em Tomografia e Mamografia: até cinco meses após a conclusão do curso.
  • Demais cursos Técnicos: até quatro meses após a conclusão do curso.

Obs.: Após esse prazo, a cada mês de marcação, será cobrada uma taxa. O prazo para entrega da pasta é de até dois anos após a conclusão do curso, mas o aluno deve estar ciente de que nesse período, se houver alterações na Grade Curricular do seu curso, deverá se enquadrar para ter acesso ao certificado.

11. Qual é a carga horária mínima para a conclusão do estágio?

Análises Clínicas120h
Estética e Cosmetologia120
Farmácia120
Nutrição e Dietética120
Segurança do Trabalho120
Meio Ambiente80
Técnico em Radiologia400
Tecnólogo em Radiologia480
Gastronomia300
Pedagogia300
Especializações em Tomografia e Mamografia30
Especialização em Hemoterapia30
Especialização em Qualidade Alimentar30

 

12. Como devo proceder no campo de estágio?

  • Respeitar o horário de entrada e saída nas instituições de acordo com cada planilha;
  • Assinar corretamente o livro ponto na entrada e na saída. No caso de estágio em instituições conveniadas, assinaturas fora da ordem de datas só serão aceitas mediante visto do supervisor de estágio;
  • Levar e preencher diariamente a pasta de estágio (deve conter cópia do seguro);
  • Usar diariamente crachá de identificação da Famesp;
  • Vestir roupa branca discreta, e avental de acordo com a preferência de cada instituição;
  • Registrar na pasta de estágio o máximo de seis horas por dia, não ultrapassando o limite de 30 horas na semana, conforme capitulo IV, Art. 10 da Lei 11.788 de 25 de setembro de 2008.
  • Cumprir os regulamentos internos da Unidade Concedente e responder pela postura ética frente aos pacientes e profissionais da Unidade, acatando a hierarquia vigente.
  • Todas as normas deverão ser respeitadas, independente do local de estágio. Será obrigação do aluno arcar com eventuais multas aplicadas a Unidade Concedente, caso venha sofrer qualquer tipo de fiscalização que constate o não cumprimento das normas por parte deste. Ocorrendo três ou mais infrações, o aluno será suspenso do estágio.

13. Qual o prazo para retirada de documentos (Declarações, Termo de Compromisso, Solicitação de Estágio)?

Prazo de cinco dias úteis a partir da data de solicitação.

14. Qual o procedimento que devo adotar quando completar minha carga horária de estágio?

Quando completar a carga horária de estágio, é necessário que você entregue a pasta de estágio, sem rasuras nem corretivo, com as folhas de relatório de atividades, avaliação e termo(s) de compromisso devidamente preenchidos e assinados. A Coordenação tem o prazo de 15 dias para conferência da pasta. Se estiver tudo em conformidade com as exigências, a pasta de estágio será encaminhada para Secretaria, onde darão prosseguimento para confecção do certificado.

SOBRE OS CURSOS TÉCNICOS

banner_estetica

1. Qual a carga horária do curso?

O Curso Técnico em Estética tem carga horária total de 1200h e de 120h para o estágio.

2. O curso é reconhecido pelo MEC?

O Curso Técnico em Estética é regulamentado pela Diretoria de Ensino Centro-Oeste (DECO), órgão que rege os cursos técnicos. O Ministério da Educação rege apenas cursos superiores.

3. O curso é modular?

O Curso Técnico de Estética é sequencial.

4. Há disciplinas práticas em todos os módulos?

Sim.

5. Posso fazer a matrícula e chegar após o horário de início das aulas porque trabalho?

Não. É necessário cumprir a carga horária na totalidade.

6. Há drenagem linfática na grade do curso?

Sim.

7. A quantidade de equipamentos é suficiente para as aulas práticas?

Sim. A infraestrutura da FAMESP é bastante completa e a quantidade e variedade de equipamentos atende perfeitamente ao número de alunos por turma.

banner_farmacia

1. O profissional técnico em farmácia pode assumir responsabilidade técnica por estabelecimento farmacêutico?

Não, somente o farmacêutico pode assumir responsabilidade técnica.

2. O Conselho Regional de Farmácia emite registro para o profissional técnico em farmácia?

Não, quando há necessidade de emitir o registro, quem o faz é o Conselho Regional de Biomedicina.

3. O curso é apostilado?

Não, o professor trabalha com recursos diversificados dentro da sala de aula.

4. Qual a carga horária de estágio?

Para auxiliar de farmácia, são necessárias 80 horas de estágio; e para técnico em farmácia, 120 horas.

5. Posso assistir a uma aula teste?

Sim, desde que agende previamente com o coordenador.

6. Qual o mercado de atuação para o técnico em farmácia?

O técnico em farmácia pode atuar em drogarias, farmácias de manipulação, farmácias hospitalares, distribuidoras e indústrias farmacêuticas e de cosméticos.

banner_meioambiente

1. O que faz um técnico em meio ambiente?

O técnico em meio ambiente pode atuar em vários seguimentos da área ambiental e em projetos específicos dentro e fora de organizações e empresas. Este desenvolve, cria e executa projetos de educação ambiental, recuperação, preservação e conservação dos recursos naturais, gerenciamento e gestão ambiental. Também colabora na elaboração de laudos, relatórios, estudos, viabilidade e impactos ambientais. Além disso, auxilia na implantação de sistemas de gestão de saúde e segurança do trabalho, qualidade e responsabilidade social, entre outras atividades.

2. Qual o mercado de trabalho para o técnico em meio ambiente?

Empresas públicas e privadas como indústrias, comércio e serviços, associações como ONGS, escolas, parques etc.

3. O curso possibilita o credenciamento em que conselho profissional?

O curso de Técnico em Meio Ambiente possibilita o registro no Conselho Regional de Química – CRQ.

4. Como são as aulas?

As aulas são expositivas (teóricas) e práticas em laboratórios, além de visitas técnicas que podem ocorrer em empresas, organizações não governamentais, parques ecológicos, entre outros.

5. Qual o salário de um técnico em meio ambiente?

A média salarial está entre R$ 2.000,00 e R$ 3.500,00 reais, dependendo da região e do porte da empresa.

banner_nutricao

1. Qual é a diferença entre o técnico em nutrição e nutricionista?

O técnico em nutrição é um profissional cuja formação fora realizada no período de um ano e meio (ensino técnico), já o nutricionista frequenta a universidade (graduação) por quatro anos para obter a sua titulação. O nutricionista é um profissional de saúde com formação generalista, humanista e crítica. Está capacitado para atuar visando à segurança alimentar e à atenção dietética em todas as áreas do conhecimento em que a alimentação e nutrição se apresentem fundamentais para a promoção, manutenção e recuperação da saúde e para a prevenção de doenças de indivíduos ou grupos populacionais. Sua atuação contribui para a melhoria da qualidade de vida e deve ser pautada em princípios éticos, com reflexões sobre a realidade econômica, política, social e cultural do país. O técnico em nutrição e dietética é o profissional com nível de ensino médio, egresso dos cursos técnicos que atendam às disposições da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, e que estejam adequados aos Referenciais Curriculares Nacionais da Educação Profissional de Nível Técnico, Área Profissional Saúde, aprovados pelo Ministério da Educação. De acordo com a Resolução CFN nº 312/2003, o exercício da profissão de técnico em nutrição e dietética, profissional da área de saúde, será permitido exclusivamente aos inscritos nos Conselhos Regionais de Nutricionistas, cabendo a esses órgãos exercerem a orientação, disciplina e fiscalização do exercício profissional. 

2. Qual é a diferença entre o técnico em nutrição e gastrônomo?

Os gastrônomos são os profissionais que se ocupam do refinamento das refeições, sejam alimentos ou bebidas. A gastronomia é um campo mais amplo que a culinária, justamente por não tratar só da preparação dos pratos. O gastrônomo deve cuidar da preparação do cardápio, selecionar ingredientes, escolher as bebidas que acompanham os pratos, garantir a boa apresentação do prato e do ambiente. O gastrônomo também deve dominar a arte de combinar ingredientes e elaborar pratos, mas, além disso, deve saber gerenciar e administrar uma cozinha, controlando seus gastos, cuidando da negociação com os fornecedores, do pedido de produtos necessários, do armazenamento do estoque e coordenando o trabalho dos seus assistentes e auxiliares. Nutrição é ciência. Nutrição visa à saúde, foca a alimentação do dia a dia a fim de nutrir o indivíduo. A gastronomia visa o prazer, a alimentação como deleite.

3. Qual é atuação do profissional técnico em nutrição?

Atua em competências relacionadas diretamente com diversos setores como alimentação coletiva, nutrição clínica, saúde coletiva e, mais recentemente, a indústria de alimentos. O aluno recebe formação, de maneira a participar de ações voltadas à alimentação humana, a partir do estudo das necessidades nutricionais de indivíduos sadios e enfermos em todas as fases do ciclo vital. Essas ações incluem o transporte, a estocagem, a seleção e o preparo de alimentos, com vista ao aproveitamento integral, à segurança alimentar e sua distribuição.

4. Qual é atuação direta no campo da área clínica?

A atuação poderá ser em empresas e instituições que prestem assistência à saúde de populações portadoras de patologias, tais como hospitais, clínicas, asilos e similares.

5. Quais são as funções no campo da área clínica?

a) coletar dados estatísticos ou informações por meio da aplicação de entrevistas, questionários e preenchimento de formulários conforme protocolo definido pelo nutricionista responsável técnico;

b) realizar nos pacientes a pesagem e aplicar outras técnicas de mensuração de dados corporais definidas pela concretização da avaliação nutricional;

c) supervisionar as atividades de higienização de alimentos, ambientes, equipamentos e utensílios, visando à segurança alimentar e difundindo as técnicas sanitárias vigentes;

d) participar de programas de educação alimentar para a clientela atendida, conforme planejamento estabelecido pelo nutricionista;

e) colaborar com as autoridades de fiscalização profissional e/ou sanitária;

f) participar de pesquisas e estudos relacionados à sua área de atuação;

g) acompanhar e orientar as atividades da Unidade de Nutrição e Dietética (UND), de acordo com as sua atribuições;

h) auxiliar o nutricionista no controle periódico dos trabalhos executados na UND;

i) observar, aplicar e orientar os métodos de esterilização e desinfecção de alimentos, utensílios, ambientes e equipamentos, previamente estabelecidos pelo nutricionista;

j) relacionar os vários tipos de dietas de rotina com a prescrição dietética indicada pelo nutricionista;

k) observar as características organolépticas dos alimentos preparados, bem como as transformações sofridas nos processos de cocção e de conservação, identificando e corrigindo eventuais não conformidades. 

6. Qual é atuação direta no campo de serviços de alimentação?

Atividades em Unidade de Alimentação e Nutrição (UAN) que prestem atendimento a populações sadias, tais como restaurantes industriais e comerciais, hotéis, cozinhas experimentais, creches, escolas e supermercados.

7. Quais são as funções no campo do serviço de alimentação?

a) acompanhar e orientar as atividades de controle de qualidade em todo processo, desde recebimento até distribuição, de acordo com o estabelecido no manual de boas práticas elaborado pelo nutricionista responsável técnico, atendendo às normas de segurança alimentar;

b) acompanhar e orientar os procedimentos culinários de pré-preparo e preparo de refeições e alimentos, obedecendo às normas sanitárias vigentes;

c) conhecer e avaliar as características sensoriais dos alimentos preparados de acordo com o padrão de identidade e qualidade estabelecido;

d) acompanhar e coordenar a execução das atividades de porcionamento, transporte e distribuição de refeições, observando o per capita e a aceitação do cardápio pelos comensais;

e) supervisionar as atividades de higienização de alimentos, ambientes, equipamentos e utensílios, visando à segurança alimentar e difundindo as técnicas sanitárias vigentes;

f) orientar funcionários para o uso correto de uniformes e de Equipamento de Proteção Individual (EPI) correspondentes à atividade, quando necessário;

g) participar de programas de educação alimentar para a clientela atendida, conforme planejamento previamente estabelecido pelo nutricionista;

h) realizar pesagem, mensuração e outras técnicas definidas pelo nutricionista para concretização da avaliação nutricional e de consumo alimentar;

i) colaborar com as autoridades de fiscalização profissional e/ou sanitária;

j) participar de pesquisas e estudos relacionados à sua área de atuação;

k) coletar dados estatísticos relacionados aos atendimentos e trabalhos desenvolvidos na UAN;

l) colaborar no treinamento de pessoal operacional;

m) observar a aplicação das normas de segurança ocupacional;

n) auxiliar no controle periódico dos trabalhos executados;

o) zelar pelo funcionamento otimizado dos equipamentos de acordo com as instruções contidas nos seus manuais;

p) controlar programas de manutenção periódica de funcionamento e conservação dos equipamentos;

q) participar do controle de saúde dos colaboradores da UAN, identificando doenças relacionadas ao ambiente de trabalho e aplicando ações preventivas;

r) desenvolver, com o nutricionista, campanhas educativas para o cliente;

s) elaborar relatórios das atividades desenvolvidas.

8. Qual é atuação direta no campo da saúde pública?

Atividades em ações de saúde coletiva, tais como programas institucionais, unidades básicas de saúde e similares.

9. Quais são as funções no campo da saúde pública?

a) realizar entrevistas, aplicar questionários e preencher formulários, conforme protocolo definido pelo nutricionista responsável técnico, levantando dados socioeconômicos, nutricionais e de saúde;

b) realizar nos pacientes a pesagem e aplicar outras técnicas de mensuração de dados corporais definidas pela concretização da avaliação nutricional;

c) realizar demonstrações práticas do emprego e manipulação de alimentos ou complementos alimentares para a clientela;

d) distribuir e aplicar material de orientação à população, segundo recomendações do nutricionista;

e) respeitar e difundir as técnicas sanitárias e os procedimentos que visem à segurança alimentar;

f) colaborar com o nutricionista no treinamento e na reciclagem de recursos humanos em saúde;

g) identificar suas possibilidades de atuação como cidadão e como profissional nas questões de política de saúde e cidadania;

h) colaborar com as autoridades de fiscalização profissional e/ou sanitária;

i) participar de pesquisas e estudos relacionados à sua área de atuação;

j) auxiliar no controle dos trabalhos executados na UND.

10. Qual é o órgão que regulamenta o profissional técnico em Nutrição e dietética?

Conselho Regional de Nutrição (CRN) 3ª região (São Paulo) e o Conselho Federal de Nutricionistas.

11. Como é realizada a inscrição do técnico em nutrição no conselho de sua região?

O requerimento de inscrição será dirigido ao Presidente do Conselho Regional de Nutricionistas que jurisdicione o domicílio do requerente, e conterá os seguintes dados:

I – nome completo;

II – nacionalidade;

III – data e local de nascimento;

IV – filiação;

V – endereço residencial e profissional;

VI – título constante do diploma ou da declaração expedida pela instituição de ensino;

VII – data da expedição do diploma;

VIII – nome e localização do estabelecimento de ensino ou do órgão expedidor do diploma.

Parágrafo único. Havendo dúvida quanto à documentação, o processo será remetido, para apreciação prévia, ao Conselho Regional de Nutricionistas da Região onde esteja localizado o estabelecimento de ensino expedidor do diploma ou do local onde o profissional tenha exercido atividades por mais de 5 (cinco) anos.

ART. 8º – O requerimento será instruído com:

I – original e cópia do diploma, devidamente registrado no órgão de ensino competente;

II – prova de recolhimento da taxa de inscrição (original);

III – cópia da cédula de identidade;

IV – cópia do documento de inscrição no CPF;

V – cópia do certificado militar, se for o caso;

VI – 4 (quatro) fotos 2×2, de frente, recentes;

VII – cópia da Carteira de Trabalho e Previdência Social.

§ 1º – Os originais serão restituídos após certificada a autenticidade das cópias, exceto o diploma, que será devolvido quando da expedição dos documentos da inscrição.

§ 2º – Poderão ser exigidos outros documentos além dos especificados, sempre que o Conselho Regional de Nutricionistas entender necessário ao esclarecimento de fatos e situações.”

“ART. 10 – O Conselho Regional de Nutricionistas fará a inscrição dos Técnicos em Nutrição e Dietética, em livro próprio, conferindo-lhes número de registro, seguido de uma barra e da letra “T”, discriminando ainda o título do inscrito.

Parágrafo único. Ao profissional inscrito na forma da presente Resolução será fornecida Carteira de Identidade Profissional de Técnicos em Nutrição e Dietética e Cartão de Identificação Termoplástico, confeccionados, distribuídos e controlados pelo Conselho Federal de Nutricionistas, conforme modelos aprovados pelo seu Plenário.

ART. 11 – A nenhum Técnico em Nutrição e Dietética será expedida mais de uma Carteira Profissional ou Cédula de Identidade, exceto quando se tratar da 2ª via.

ART. 12 – O diplomado no País como Técnico em Nutrição e Dietética, cujo diploma esteja em processamento de registro no órgão competente, poderá exercer a profissão pelo prazo de 24 (vinte e quatro) meses, prorrogável por mais 12 (doze) meses.

banner_seguranca2

1. Qual a diferença do Curso Técnico em Segurança do Trabalho e o Tecnólogo de Segurança do Trabalho?

Os cursos de Tecnólogo em Segurança do Trabalho são reconhecidos pelo MEC, porém a Profissão de Tecnólogo em Segurança do Trabalho não consta na Norma Regulamentadora Nº4 (NR-04) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTe). O MEC aprova os cursos superiores, porém para trabalhar como técnico de segurança do trabalho, o profissional precisa ter registro no MTe. Por isso, mesmo havendo aprovação do MEC para o curso de Tecnólogo, o Profissional talvez tenha dificuldades no mercado de trabalho, pois dependendo do Grau de Risco e número de Trabalhadores de uma empresa, ela será obrigada a contratar um ou mais Técnicos de Segurança, mas não será obrigada a contratar um Tecnólogo.

Segue as profissões que, dependendo do grau de risco e número de trabalhadores, devem fazer parte do Serviço Especializado em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho (SESMT):

  • Técnico de Segurança do Trabalho;
  • Engenheiro de Segurança do Trabalho;
  • Auxiliar de enfermagem do Trabalho;
  • Enfermeiro do Trabalho;
  • Médico do trabalho.

Pode ser que no futuro o Tecnólogo venha a fazer parte do SESMT, contudo, para o momento, é mais seguro fazer o curso Técnico em Segurança do Trabalho.

SOBRE OS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO

banner_posestetica

1. Não sou graduado na área da saúde. Posso fazer a pós em Estética?

O curso de pós-graduação em Estética tem como público-alvo graduados na área da saúde, como tecnólogos em estética, biomédicos, fisioterapeutas, enfermeiros, farmacêuticos, biólogos, psicólogos, nutricionistas e demais áreas afins.

2. Ainda não concluí minha graduação. Posso me matricular na pós?

O requisito básico para matrícula nos cursos de pós-graduação é ter concluído a graduação. Para a matrícula, o candidato deve apresentar diploma da graduação ou declaração de conclusão e histórico escolar, além de outros documentos.

Deixe uma resposta

três × 5 =